LIMO MALOBEO

Limo Malobeo, em Esperanto desobediência do limite, são duas intervenções espaciais que aproveitam o tema do Festival A Porta 2021 para questionar a natureza pública de um espaço subaproveitado do centro da cidade de Leiria. O jardim da Vila Portela é um espaço verde tornado público recentemente mas que no entanto continua fechado e fora das discusções colectivas da cidade.

limo malobeo.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_01.JPG

Nascendo de um processo longo de auscultação da população, o projeto trabalha a partir dos imaginários fantásticos e concretos para o futuro deste espaço, em particular, da ideia de uma apropriação cívica e popular da Vila Portela. Esta apropriação acontece através do questionar dos limites públicos e privados deste espaço, transformando estes em momentos de relação espacial, de jogo e de reflexão sobre a cidade

PORTA_ColectivoTil_2021_03.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_02.JPG

Na relação com um limite concreto da Vila Portela, a malha-sol, surgiram duas intervenções sobre dois momentos marcantes desse limite: a sua relação directa com o prado e pomar, agora privado e interdito, e um outro sobre a cidade de Leiria e a sua paisagem urbana. No primeiro local propusemos um campo de vólei, executado com a mesma materialidade do limite privado em malha-sol. Aqui, a intervenção procurou transformar o limite e o interdito numa perfomance de transgressão ativada pelo jogo: a bola que eventualmente salta para o lado do vizinho obriga a questionar a rigidez dessa barreira física e moral e encontrar formas de a transgredir.

PORTA_ColectivoTil_2021_04.JPG
PORTA_ColectivoTil_2021_05.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_06.JPG
PORTA_ColectivoTil_2021_07.JPG

No segundo sítio, propusemos um observatório/torre sineira sobre a cidade. Pensado como um espaço-entre, nem totalmente na Vila Portela, nem na Cidade de Leiria, este segundo momento da intervenção procurou trabalhar uma nova relação pública entre ambos os espaços. Por um lado, propunha um novo ponto de vista sobre a paisagem urbana de Leiria, por outro convidava a interagir directamente com a rua no limite da propriedade, através de um sino que podia ser atividade tanto da rua, bem como do observatório.

PORTA_ColectivoTil_2021_08.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_09.JPG

As duas instalações são pensadas como objetos espontâneos que tanto podem perdurar, como desaparecer de um dia para o outro. Para tal, ambas partem do re-uso de materiais encontrados no próprio sítio, materiais aproveitados de outros projetos e materiais novos, fornecidos para o festival, mas usados por inteiro, sem desperdício.

PORTA_ColectivoTil_2021_14.jpg

A lógica de concepção no observatório, foi o de amarrar uma estrutura usando apenas cintas e entalhes, sem parafusos, perfis metálicos ou outros dispositivos de ligação e fixação.

PORTA_ColectivoTil_2021_10.JPG
PORTA_ColectivoTil_2021_11.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_13.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_019.jpg
PORTA_ColectivoTil_2021_023.JPG

Como o próprio nome do projeto indica, as instalações procuraram transgredir o limite daquilo que tomamos por construído e perene, informal e espontâneo.

A construção foi surgindo à medida do próprio processo de descoberta do que seria esta ocupação parasítica, quase ilegal, da antiga quinta aristocrática da Vila Portela.

PORTA_ColectivoTil_2021_15.JPG
PORTA_ColectivoTil_2021_16.JPG

Tipo de projecto: Instalação

Local: Vila Portela, Leiria

Data: Junho/Julho 2021 

Duração: 2 semanas

Projecto geral: Festival A Porta

Promotor: Associação Flamingo Imbatível

Desenho/Construção: Colectivo Til 

Fotografia: Colectivo Til, Idalécio Francisco.